Seios Maiores Sem Silicone? Fórmula Promete até 4cm a mais!

Substância extraída de árvore promete seios um pouco maiores sem o uso de bisturi. Mas será que realmente funciona? Investigamos e te contamos tudo a seguir

 

Atire o primeiro sutiã quem nunca sonhou com medidas a mais no decote. E pra muitas mulheres, o tão desejado volume depende apenas de alguns centímetros a mais – pouquinho que não justifica um procedimento invasivo como a cirurgia plástica de prótese de silicone.

Nestes casos, o ideal seria um produto que resolvesse o incômodo estético sem dor ou bisturi, não é mesmo? Pois tal promessa já está no mercado e atende pelo nome decommipheroline.

A substância que promete aumentar o tamanho dos seios em até 4 cm vem de uma árvore indiana. E apesar da origem remota ninguém precisa cruzar oceanos em busca da fórmula mágica: farmácias de manipulação do Brasil já contam com o produto que divide opiniões. E já que é assim, fomos atrás de experts pra saber os prós e contras dessa novidade. Será que realmente funciona?

Pra início de conversa é preciso entender como o commipheroline age no corpo feminino. Aplicado sobre os seios o creme atua somente nas células de gordura da mama, fazendo-as inchar. Com o aumento dessas células, os seios também ficam maiores – em proporções semelhantes a períodos de menstruação ou gravidez.

O resultado da aplicação, porém, não é o mesmo para todas as mulheres. O efeito do creme depende da constituição dos seios, como explica o cirurgião plástico Marco Cassol: “Nas pacientes que têm proporcionalmente mais gordura na mama o impacto do commipheroline é mais visível.”

Células inchadas, seios maiores e muita polêmica

O creme está longe de ser unanimidade entre os médicos. A dermatologista Carla Vidal salienta que apesar de o commipheroline ter sido lançado no mercado não foi comprovado por nenhum estudo científico além dos fornecidos pela empresa francesa Soliance (que detém a patente da substância). No Brasil, o produto tampouco recebeu aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA): “Diz-se que este produto causa lipogênese, que é o aumento da célula de gordura.

O problema é que o tecido fibroaurecular – responsável por dar sustentação à mama – não seria afetado, gerando mero aumento no estoque de gordura do seio. Acredito que o que vendem é uma ilusão”.

Também por este motivo a dermatologista Ligia Kogos considera o princípio docommipheroline bastante contraditório: “A mama de uma mulher jovem é formada principalmente por tecido glandular, responsável pela firmeza dos seios. Com o passar do tempo, e especialmente após os 40 anos, o tecido glandular começa a ser substituído por gordura, aumentando a flacidez.

A promessa deste creme é exatamente estimular a formação de gordura”. Na opinião da médica, é mais recomendável estimular a formação do tecido glandular com o uso de cremes cuja fórmula contenha progesterona.

Alternativa à cirurgia?

“O resultado do creme, além de temporário, é pouco satisfatório pra quem deseja maior projeção da mama”, diz o cirurgião plástico Marco Cassol. Mas funciona em dois casos específicos:

1) como complemento à técnica de enxerto (injeção de pequenas quantidades de gordura da própria paciente em seus seios); 2) para aquelas pacientes que desejam o efeito temporário do produto para uma festa ou período específico.

De acordo com a dermatologista Ligia Kogos, a sensação de seios maiores dura apenas o período de aplicação do creme: após a interrupção do uso, o inchaço desaparece em cerca de duas semanas.

Todos os especialistas consultados concordam em um aspecto:

o produto não tem contra-indicações. De todo modo, as farmácias só produzem o creme mediante receita. E aí, alguém arrisca? Ou gostaria de saber mais sobre a cirurgia de implante de silicone e aumentar a sua estima?

 

Fonte: Revista Glamour

Compartilhe :

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram

Tire suas dúvidas ou agende uma consulta com
Dr. Marco Cassol

Dr. Marco Cassol

Dr. Marco Cassol

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), especialista em Cirurgia Geral e em Cirurgia Plástica, tem mais de 15 anos de vivência na profissão. Após sua formação, desde 2006. CRM-SP 122955 / RQE 24987

Artigos relacionados