Sol X Cirurgia Plástica

Os cuidados com o Sol no pós operatório são os mesmos em todas as estações do ano.

Uma das primeiras preocupações dos pacientes, ao se submeterem a uma cirurgia plástica, é a exposição solar. É importante salientar que os procedimentos cirúrgicos podem ser realizados em qualquer estação do ano e muitas vezes o período de férias é o melhor para poder se recuperar em casa, com tranqüilidade e voltar com tudo em cima para as atividades do dia a dia.

Não importa a estação do ano em que a cirurgia é realizada, o importante são os cuidados preventivos. Se o paciente for submetido à cirurgia no inverno e tomar sol direto no pós-operatório a conseqüência será pior do que ser operado no verão com a devida proteção. O Sol deve ser preocupação para os pacientes. Devido ao inchaço e pigmentação da pele, que a exposição solar, sem os devidos cuidados, pode causar.

Após uma cirurgia plástica, de uma maneira geral, recomenda-se uma proteção solar rigorosa no primeiro mês, amenizando-se a partir do segundo mês, porém convém evitar a exposição solar direta durante seis meses, principalmente se for submetido a um peeling.

Em casos em que o paciente é submetido ao peeling químico, dermobrasão cirúrgica ou resurfacing a laser ablativo, deverá permanecer em ambiente rigorosamente protegido dos raios solares durante 1 mês. Após este período os cuidados podem ser amenizados. No entanto, convém evitar a exposição solar durante seis meses.

Recomenda-se que o fator de proteção solar para os recém-operados, seja de 30 FPS. Caso não seguir as recomendações, há o risco de manchar a pele. Isto decorre de um aumento da produção de melanina, em número, tamanho e atividade dos melanócitos. A capacidade de adquirir a pigmentação é maior na pele escura e parda.

A pigmentação depende, principalmente, dos raios UVB (Ultravioleta B), mas há participação do UVA (Ultravioleta A). As Manchas podem desaparecer em meses ou anos, conforme características individuais. Há tratamentos para acelerar o desaparecimento das manchas, sendo considerados eficazes, na utilização de formulas clareadoras, peelings, laser e luz intensa pulsada.

Caso o paciente faça a cirurgia no verão, os cuidados são os mesmos dos outros tecidos, dificultando a cicatrização e favorecendo complicações como a necrose da pele. Há outros estudos científicos que mostram que a pele dos fumantes apresenta aumento das rugas, ficando com aspecto acinzentado e macilento, devido ao aumento nas alterações da fibra elástica da pele.

A recomendação, é que o paciente fumante deixe o cigarro trinta dias antes da cirurgia e outro tanto após a mesma. A associação de cigarro e sol inadequado pode ser prejudicial no processo de recuperação do paciente no pós operatório, pois os riscos são somados.

Além disso, a exposição ao calor inadequada, da mesma forma que a nicotina, destrói as fibras de colágeno e elastina, intensificando o processo de envelhecimento natural da pele.

Tire suas dúvidas ou agende uma consulta com
Dr. Marco Cassol

Compartilhe :

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram
Marco Cassol

Marco Cassol

Dr. Marco Cassol Formado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), especialista em Cirurgia Geral e em Cirurgia Plástica, tem mais de 15 anos de vivência na profissão. Após sua formação, desde 2006. CRM-SP 122955 / RQE 24987 Linkedin .

Artigos relacionados