Pós-Operatório: Como Garantir Uma Boa Recuperação e Cicatrização?

Adotar hábitos como se alimentar adequadamente, dormir bem e não se estressar são fundamentais para um bom resultado na sua cirurgia. 

Não é novidade que a época do ano de maior procura por procedimentos cirúrgicos é no inverno, quando o tempo de exposição ao sol é menor e o clima mais ameno favorece a recuperação e reduz os incômodos associados à intervenção.

Com a chegada da primavera, cirurgias com fins estéticos como as de implantação de silicone nos seios, lipoaspiração e rinoplastia continuam em alta visando o verão. Mas antes de se submeter a qualquer uma delas, é preciso se informar obre os cuidados pré e pós-operatórios exigidos.

“Após a cirurgia plástica, é hora de cuidar do pós-operatório e tudo deve ser seguido à risca para evitar cicatrizes, inflamações, inchaços e outras complicações”, afirma o cirurgião plástico Noel.

É claro que os cuidados vão depender do procedimento ao qual o paciente está se submetendo, mas existem hábitos comuns que, quando adotados, podem favorecer a recuperação.

“Nas cirurgias de contorno corporal, por exemplo, deve-se fazer repouso relativo por pelo menos uma semana, evitar o fumo, priorizar uma alimentação balanceada, incluindo proteína na dieta, e usar as malhas compressivas indicadas pelo médico”, enumera o cirurgião plástico Márcio C.

De modo geral, Noel destaca as seguintes precauções que não devem ser deixadas de lado: repousar por pelo menos 20 dias (dependendo de cada caso), voltar ao hospital ou à clínica para a troca de curativos nos dias agendados, usar cintas sempre que indicado e manter uma alimentação leve e saudável.

O cirurgião plástico Marco Cassol lembra que a tensão excessiva decorrente da atividade física pode ser prejudicial para o processo de cicatrização, de modo que não é recomendável retomar a atividade física antes de, em média, um mês e meio de realizada a cirurgia.

“A cicatriz demora ao menos dois meses para ganhar força. Antes disso, se forçada, poderá alargar e ficar mais evidente”, complementa o cirurgião plástico Marcelo O.

Já o cirurgião plástico Tiago R. alerta para a importância de, mesmo durante o inverno, evitar a exposição ao sol, já que manchas e inchaços podem surgir logo após o procedimento cirúrgico.

Segundo ele, o ideal é não se expor ao sol por cerca de 30 dias após qualquer cirurgia, mas esse tempo pode se estender para até 90 dias.

“O importante é ter tempo hábil para a preparação à cirurgia plástica, que envolve a mudança de alguns hábitos, quando necessário, e realização de exames e os cuidados pós-operatórios”, afirma Tiago R.

Entre os hábitos que devem ser revistos visando uma melhor recuperação no pós-operatório está o de fumar.

De acordo com Marco Cassol, o ideal é que a redução ou eliminação do fumo seja combinada previamente com o médico, para o caso de haver a necessidade de suporte medicamentoso.

“O mínimo aceitável de fumo é nada, mas é melhor diminuir do que não fazer nada”, defende.

Dormir pouco e se estressar também devem ser cortados da rotina ao máximo.

“O paciente deve aproveitar esse momento da cirurgia para diminuir o ritmo e se autoavaliar, se sentir, se enxergar. É um momento único, inclusive de reavaliação emocional”, aponta.

No quesito alimentação, não é preciso transformar radicalmente a dieta, mais um aporte maior de proteínas e vitaminas através do consumo de frutas, verduras, soja, carne, leite e ovos, é mais que bem-vindo.

Entender que a intervenção nutricional pode interferir de forma benéfica na evolução do pós-operatório é um processo que deve ser iniciado antes da cirurgia e se estender pelo menos até a recuperação plena.

“A alimentação pode melhorar ou piorar a recuperação, tudo depende da postura do paciente em relação a sua própria saúde. Cada detalhe pode fazer a diferença”, assegura o cirurgião plástico Anderson P.

A drenagem linfática também pode ser uma excelente aliada do pós-operatório.

De acordo com Candida Camelo, esse procedimento é responsável por estimular o organismo a eliminar os líquidos que causam o inchaço e os edemas, além de acelerar a recuperação e melhorar a qualidade da cicatrização, já que aumenta a imunidade do paciente e evita a formação de nódulos, fibrose e queloides.

“Geralmente a paciente recebe alta para iniciar a drenagem assim que a paciente suportar uma manipulação local, o que acontece 4 ou 5 dias após a cirurgia, porém fica a critério do cirurgião e das condições físicas do paciente”, explica, alertando que não se deve realizar mais de 15 a 20 sessões.

Entrevista  cedida ao site Globo.com 

Fonte: Bem Estar – GNT

Compartilhe :

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on telegram

Tire suas dúvidas ou agende uma consulta com
Dr. Marco Cassol

Dr. Marco Cassol

Dr. Marco Cassol

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), especialista em Cirurgia Geral e em Cirurgia Plástica, tem mais de 15 anos de vivência na profissão. Após sua formação, desde 2006. CRM-SP 122955 / RQE 24987

Artigos relacionados